O Botânico da Universidade de Lisboa. Vozes, olhares, memoraçoes
articles
réactions
- - 11.01.2007 | 1 réactions | #link | rss

Sessão Pública "Que Políticas para o Património Científico Português?"
Museu de Ciência da Universidade de Lisboa
Auditório do Museu
4 de Fevereiro, 10 h

O património científico português tem sido habitualmente excluído da
legislação geral e das políticas de conservação do património histórico e
cultural. A maioria dos espaços, colecções e arquivos científicos estão
localizados em universidades, politécnicos, antigos liceus e escolas
técnicas, institutos e laboratórios de investigação, hospitais e museus,
geralmente fora da jurisdição das entidades que têm a responsabilidade de
zelar pelo património.
Na ausência de políticas coordenadas de âmbito nacional, a maior parte
destes espaços, colecções e arquivos estão numa situação vulnerável,
sujeitos à arbitrariedade e em risco de perda irremediável.

O que é o património científico? Onde se encontra? Será que o património
existente é importante? Como proteger e promover o património da ciência em
Portugal?

O Museu de Ciência da Universidade de Lisboa pretende iniciar o debate sobre
políticas e estratégias de preservação e de valorização do património
científico português. Para tal, vai organizar uma Sessão Pública subordinada
ao tema, que contará com a presença de inúmeras personalidades das áreas da
ciência, educação e cultura. Durante a Sessão, será apresentado um
documento-base enumerando prioridades e orientações.

Sessão Pública "Que Políticas para o Património Científico Português?"
Museu de Ciência da Universidade de Lisboa
Auditório do Museu
4 de Fevereiro, 10 h

O património científico português tem sido habitualmente excluído da
legislação geral e das políticas de conservação do património histórico e
cultural. A maioria dos espaços, colecções e arquivos científicos estão
localizados em universidades, politécnicos, antigos liceus e escolas
técnicas, institutos e laboratórios de investigação, hospitais e museus,
geralmente fora da jurisdição das entidades que têm a responsabilidade de
zelar pelo património.
Na ausência de políticas coordenadas de âmbito nacional, a maior parte
destes espaços, colecções e arquivos estão numa situação vulnerável,
sujeitos à arbitrariedade e em risco de perda irremediável.

O que é o património científico? Onde se encontra? Será que o património
existente é importante? Como proteger e promover o património da ciência em
Portugal?

O Museu de Ciência da Universidade de Lisboa pretende iniciar o debate sobre
políticas e estratégias de preservação e de valorização do património
científico português. Para tal, vai organizar uma Sessão Pública subordinada
ao tema, que contará com a presença de inúmeras personalidades das áreas da
ciência, educação e cultura. Durante a Sessão, será apresentado um
documento-base enumerando prioridades e orientações.

- - 18.01.2006 | 0 réactions | #link | rss

Um colossal cipreste (Cupressus lusitanica, diga-se) que é vulgarmente tomado por um cedro – a mais famosa árvore de Lisboa, acomodada a uma armação de ferro que lhe estende e baixa a grande copa, sítio privilegiado de encontro e lazer; Ramada Curto lá situou, em 1931, amáveis contos e crónicas – “Debaixo do Cedro”. in Jose Augusto França. Monte Olivete: minha aldeia

Foto: Pedro Soares

- - 10.01.2006 | 1 réactions | #link | rss
O canadiano Frank Gehry fez já umas quantas coisas na Europa, desde o Gugenheim de Bilbau até ao edifício da nova cinemateca de Paris, entre outros.

Mas talvez seja difícil imaginarmos um dos seus edifícios curvos ao pé do jardim, no extinto Parque Mayer.

Além de um casino, de um hotel e de dois teatros, o arquitecto projectaria um amplo anfiteatro de 800 lugares na zona junto ao Jardim. Gehry considera que é o projecto mais mágico em que alguma vez trabalhou. Neste trabalho, em vez das famosas placas de titânio utilizadas em Bilbau, pensa usar sobretudo madeira, alvenaria e muito vidro.

Já é hora da Câmara de Lisboa dar destino a um pedaço de cidade moribundo há mais de 20 anos. Mas fica a pergunta de como tudo isto afectará o próprio Jardim. É o momento de nos sentarmos a falar com os arquitectos e responsáveis da Câmara, e de procurar que todo o processo de planificação seja o mais transparente possível. É importante que os amigos do Jardim e os cidadãos saibam de antemão em que se vai transformar este lugar tão presente nas memórias de tantos lisboetas.

Esta poderá ser uma bela oportunidade para dar vida à parte inferior do Jardim tão escondida. Se aproveitarmos bem estes projectos multimilionários; poderiam abrir-se portas inferiores para o jardim como verdadeiras portas de descoberta a turistas e a visitantes.

As pessoas em busca de arquitectura encontrariam o Jardim mais importante do coração de Lisboa.

Mais informação: http://www.wmf.org/html/programs/resources/sitepages/portugal_teatro_capitolio.html

http://www.cnc.pt/Artigo.aspx?ID=375

http://cidadanialx.tripod.com/capitolio.html

 

FutureBlogs - v.0.8.6beta - Ce site est hébergé par http://monblog.ch